FAÇA SUA HORTA E COLHA SEUS TEMPEROS

FAÇA SUA HORTA E COLHA SEUS TEMPEROS

Seguidores

DEIXE SEU EMAIL E RECEBA NOVAS RECEITAS

TEMPEROS NATURAIS

TEMPEROS  NATURAIS
TEMPEROS NATURAIS SÓ FAZEM BEM A SAÚDE

Fritar com azeite


1Fritar com azeite

O azeite deve ser aquecido em fogo moderado, não em alto. Nunca deixe fumegar o azeite, porque isso significa que chegou a uma temperatura crítica, propícia à transformação da gordura em trans e formação de substâncias, sabores e odores indesejáveis. Melhor utilizar o produto em saladas e, no máximo, para refogar.
Foto: Getty Images


Falsa Maionese**

Falsa Maionese**
*

*Ingredientes*

*1 pote de cottage
l colher de chá de mostarda
1 gema
1 colher de chá de molho inglês
1 colher de sobremesa de suco de limão
1 ovo cozido esmigalhado *

*Modo de preparo*

*Bata tudo no liquidificador, até que fique com a consistência de maionese.*

Molho Bechamel




Ingredientes:
2 colheres (de sopa) de manteiga
1 colher (de sopa) de farinha de trigo
2 xícaras (de chá) de leite
1 cebola ralada
3 gemas
Sal
Pimenta-do-reino
1 pitada de noz-moscada
Salsa picada
Modo de preparo:
Aqueça a manteiga, junte a farinha e mexa até dourar. Abaixe o fogo e adicione o leite aos poucos, mexendo fortemente para não formar grumos. Acrescente a cebola, as gemas e tempere com sal, pimenta e noz-moscada.
Retire e passe por uma peneira. Junte a salsa e misture bem
Dicas:
Rendimento é de 4 porções.
Se quiser, junte também ao molho, queijo ralado.
Sirva em pratos gratinados ou como base para outros molhos.

Molho de cogumelos com hortelã


Molho de cogumelos com hortelã
Selo - Receita testada e aprovada
Molho de cogumelos com hortelã
Molho de cogumelos com hortelã: mais sabor para sua salada!
 Preparo: Zás-trás (até 15 minutos)Dificuldade: FácilCategoria: Molho
 Ingredientes:
. 1/4 de cebola pequena picada 
. 1/4 de talo de salsão picadinho 
. 1/4 de xícara de cogumelos picados 
. Sal a gosto 
. Salsinha e cebolinha picadas 
. 1 colher de sopa de hortelã picada 
. Suco de ½  limão 
. 1 colher de sopa de azeite  
. 1 colher de sopa de água
Modo de preparo:
Misture bem 1/4 de cebola pequena picada, 1/4 de talo de salsão picadinho, 1/4 de xícara de cogumelos picados, sal a gosto, salsinha e cebolinha picadas, 1 colher de sopa de hortelã picada, suco de 1/2 limão, 1 colher de sopa de azeite e 1 colher de sopa de água.
 

MOLHO DE YOGURTE




Ingredientes:

1 xícara (de chá) de iogurte natural
1 xícara (de chá) de Maionese Hellmann’s
1 dente de alho (pequeno), amassado
Salsa e pimenta-do-reino à gosto
1/2 cebola (pequena), ralada
Cenoura picadinha, para decorar
Modo de preparo:
Misture bem todos os ingredientes.Coloque numa tigela ou molheira, cubra e conserve na geladeira. Sirva bem frio, aplicando na hora sobre a salada de sua preferência.
Dicas:
Este é um molho de sabor inteiramente novo e especialmente indicado para saladas de legumes cozidos e variados (batatas, vagens, cenouras, couve-flor, ervilhas, etc.).
Acompanha muito bem, ovos cozidos.

Vovó Palmirinha • sua históriaHistória


     A nossa querida vovó Palmirinha nasceu no dia 29 de junho de 1931, em Bauru, cidade do interior de São Paulo.

Escreveu a sua história na televisão por mais de 20 anos e, atualmente, Palmirinha tem uma forte representatividade no cenário comercial. Recebe convites para marcar presença em vários programas de TV, rádio, revistas e jornais. Também faz campanhas publicitárias, sendo atração entre os jovens como musa do Top Five do CQC e até mesmo hit na internet com a sua popularidade e carisma. Foi uma das apresentadoras do VMB Brasil, na MTV e, recentemente, é a mais nova contratada da Fox International Channels Brasil no canal Bem Simples.

Palmirinha, a vovó mais querida do Brasil, aos 81 anos, com três filhas, dois netos, quatro netas e três bisnetos, sente-se plenamente realizada e muito feliz em viabilizar mais um sonho, o de encabeçar um projeto cultural em que levará a sabedoria da arte culinária para as amiguinhas e amiguinhos deste imenso Brasil.


Guinho

Guinho é o novo boneco da Vovó Palmirinha. Criado pelo ator manipulador  Anderson Clayton, faz as perguntas que as donas de casa gostariam de fazer à Palmirinha e dá alegria e descontração ao quadro de culinária, fazendo muito sucesso com as crianças.
Ele participa de comerciais, programas de televisão, eventos e entrevistas, sempre ao lado da vovó mais querida do Brasil.
O seu mais novo trabalho é na FOX, no qual faz um programa de gastronomia e receitas no canal Bem Simples, com um quadro especial para tecnologias da internet, ajudando e esclarecendo a audiência sobre o mundo da web.

SAIBA MAIS SOBRE AS ERVAS USADAS NA CULINÁRIA


ERVAS DIVINAS
Elas são ingredientes essenciais na finalização de pratos, em molhos e condimentos.
São recomendadas ainda em tratamentos medicinais diversos, preparadas principalmente na forma de chá.
Enfim, tornaram-se importantes na vida moderna, como já foram na antiguidade, quando os Romanos, por exemplo, introduziram o tomilho, o alecrim e a segurelha na Europa Central e levaram salsa, manjericão e sálvia das colônias orientais.
Eis aqui um pouco do universo rico – de aromas e sabores – das ervas finas

Que tal um molho à base de ervas para regar aquele peixe grelhado que você tanto gosta?
Ou ainda finalizar aquela carne saborosíssima que acabou de sair do forno com um punhado de ervas delicadamente cortadas bem picadinhas?
Enfim, as chamadas ervas finas podem dar o toque de genialidade que você tanto busca em assados, grelhados e cozidos.
E não é só isso.
Essas plantas são bastante utilizadas em tratamentos medicinais para patologias diversas, com resultados eficazes.
Quem é que nunca fez um chazinho de hortelã para ajudar na digestão ou como efeito calmante?
O importante disso tudo é saber como aproveitar cada erva da maneira adequada, seja em benefício da saúde ou da culinária.
“São ingredientes fundamentais na finalização dos pratos. O ideal é que sejam sempre frescas, pois, dessa forma, podemos aproveitar todo potencial aromático e saboroso das ervas”,
diz o chef Mauro Maia, que comanda o restaurante Supra.
Ele continua:
“Além disso, são importantes na decoração dos pratos também. Uma erva nunca deve ser fervida, frita, nem cozida. São produtos para se utilizar em seu frescor, somente na finalização, caso contrário, perdem os óleos essenciais. No caso da preparação de molhos, adicionar a erva somente minutos antes da finalização do preparo. Assim, elas deixarão um sabor suave, sem amargor, e com aromas intensos”.
COMO ARMAZENAR AS ERVAS
O melhor jeito de armazenar ervas é mantê-las sob temperatura de 4º a 10º C, acondicionadas em sacos ou potes plásticos bem fechados. Plantas como dill, salsa crespa, salsa lisa, cebolinha, cerefólio e estragão também podem ser congeladas inteiras ou picadas.
Nelas, o aroma, os ativos e o aspecto físico são mantidos.
A conserva com óleo e vinagre é outra opção.
Nesse caso, os óleos essenciais passam para a solução, aromatizando-a por muito tempo.
Por último, podem ser aproveitadas ainda em patês e condimentos misturados com azeite de oliva e sal.

Cebolinha e Ceboullete


Cebolinha e Ceboullete
Origem:
regiões montanhosas do Hemisfério Norte.
Características:
folhas em forma de canudos de 40 cm de comprimento.
Introduzida na Itália por volta do ano 800.
Bastante difundida na França, Alemanha e Escandinávia.

A cebolinha tem um gosto leve de cebola, mas torna-se adocicada quando adicionada a saladas, legumes, batatas, moluscos, sopas e molhos.
Pode ser picada em rodelas bem finas para temperar ou ser usada inteira na decoração do prato.

Tomilho


Tomilho
Origem:
Mediterrâneo.
Características:
planta de porte pequeno, com talos duros e pequenas folhas verde-escuras.
A França é a principal adepta do tomilho, utilizando-o em todo tipo de alimento.
Com seu sabor apimentado, o tomilho dá um toque especial a carnes em geral, especialmente de porco, e molhos de tomate.

Orégano


Orégano
Origem:
Mediterrâneo, África e Oriente Médio.
Características:
planta rasteira com folhas verde-escuras redondas.

O orégano ganhou um impulso como tempero por causa das pizzas de Nápoles.
Devido ao seu aroma dominante, é muito usado em molhos, pizzas, legumes, ovos, carnes e vinagres.

Hortelã


Hortelã
Origem:
Europa.
Características:
a hortelã foi encontrada em 1696 num jardim da Inglaterra.
Essa variedade da menta atingiu popularidade por causa de seu alto teor de mentol.
Indicada como tempero forte de molhos, carnes, peixes, sobremesas e drinques.

O chá de hortelã é bastante apreciado, pois regula a digestão, ajuda a combater cãibras e atua no equilíbrio do sistema nervoso.

Salsa e Salsa Crespa


Salsa e Salsa Crespa
Origem:
Mar Mediterrâneo.
Características:
planta com cerca de 30 cm de altura, possui uma coloração verde-escura.

Existem muitas variedades, como as de folhas lisas e crespas.

A salsa é cultivada desde 3.000 a.C. pelos povos da região mediterrânea, inclusive pelos egípcios, gregos e romanos.
Usada em todas as cozinhas para condimentar carnes, molhos, omeletes, saladas e legumes.

Manjericão


Manjericão
Origem:
Sul da Ásia e Índia.
Características:
arbusto com uma viva cor verde, atinge até 50 cm de altura. Existem mais de 360 variedades de manjericão.

Difundido na Índia já por volta do ano 4000 a.C. Foi levado pelo conquistador Alexandre, o Grande, para a Grécia antiga.
Suas folhas são usadas em massas, molhos, legumes, vinagre de ervas e pizzas.

Coentro


Coentro
Origem:
das margens orientais do Mar Mediterrâneo e Oriente Médio.
Características:
planta com aroma forte e que atinge 50 cm de altura.
Era utilizado pelos egípcios e persas mais de mil anos antes de Cristo.
Usado para temperar peixes, sopas, molhos e moquecas, dando um sabor picante aos pratos.

Cerefólio


Cerefólio
Origem:
Oriente Médio.
Características:
planta pequena, assemelha-se na aparência à salsa lisa.

Tem aroma refrescante característico, que fica entre funcho, anis e salsa.

O cerefólio pode ser usado em tudo o que leva salsa: omeletes, saladas, vinagretes, molhos com creme e carnes assadas. Procure acrescentar ao prato no último instante.

Segurelha


Segurelha
Origem:
Alpes.
Características:
arbusto de 60 cm de altura com folhas estreitas e pontudas e finos talos.

Os romanos foram os primeiros a cultivar a segurelha.
É muito aromática e tem sabor levemente picante.
Condimenta carnes em geral, especialmente peixes e aves, além de saladas, molhos e feijão

SÁLVIA


Sálvia
Origem:
Mediterrâneo.
Características:
planta com folhas enverrugadas.
Atinge até 80 cm de altura.

Usada pelos romanos e gregos –
primeiro como planta medicinal contra picadas de cobras,
e mais tarde como tempero.
A sálvia tem um aroma intenso e sabor picante.
Suas folhas realçam carnes de peixe, aves e porco

LOURO


Louro
Origem:
Mediterrâneo.
Características:
árvore de até 12 metros de altura, com folhas verde-escuras.

Uma coroa de louro simbolizava a vitória e a glória para os guerreiros vitoriosos ou para os atletas dos jogos olímpicos.
Na culinária, usava-se o louro em óleos, lingüiça, aves e peixe. Imprescindível em marinadas.

Estragão


Estragão
Origem:
Ásia Central.
Características:
tem talo e folhas estreitas se dividindo em três pontas.
Há dois tipos de estragão:
o verdadeiro (ou francês) e o falso (ou russo).
É uma erva de grande importância na cozinha.
Tem um aroma forte e específico, com um leve sabor de anis.
Para carnes fortes como as de cabrito e carneiro.

Alecrim


Alecrim
Origem:
Mediterrâneo.
Características:
flores azuladas que lembram o orvalho.
Símbolo de fidelidade entre namorados, era usado na Era Medieval para purificar os quartos de doentes.
De sabor fresco e doce, é recomendado no preparo de carnes, em especial de porco e carneiro.
Dá paladar especial a batatas e manteigas.
Faz parte do famoso Herbes de Provence (tempero francês com várias ervas).